fbpx

As Palavras Cruzadas do Público

palavras cruzadas do publico num telemóvel

Por Paulo Freixinho

Autor de palavras cruzadas há 30 anos, elaboro os passatempos do Público e JN, entre outros. Criei o portal de palavras cruzadas em Portugal.

07.08.2020

HISTÓRIAS DE UM CRUCIVERBALISTA

Outubro de 1999.

Na minha juventude via, religiosamente, a famosa série de ficção científica Espaço 1999, muito longe de imaginar que esse “longínquo” ano seria aquele em que a agência Feriaque me pediria para começar a elaborar Palavras Cruzadas para o jornal Público (apenas as que têm quadrículas pretas).

O inicio no Público

No início a tecnologia utilizada incluía papel quadriculado, lapiseira, borracha e um dicionário. O computador servia apenas para escrever os enunciados e pintar as grelhas digitalmente.

Só na entrada do século XXI é que tive o primeiro contacto com um software que preenchia a grelha em segundos. Apesar disso, as Palavras Cruzadas Público tiveram sempre um lado humano na sua construção.

Enviadas para a Feriaque em conjuntos de oito problemas semanais, antes de avançar para o preenchimento das grelhas, havia que escolher quatro provérbios, dois títulos de filmes e dois títulos de livros (tudo anotado num ficheiro a fim de evitar repetições, embora os provérbios se tenham esgotado passados alguns anos “obrigando-me” a repetir alguns – sempre são 20 anos e mais de 7500 Palavras Cruzadas).

A grande alteração nas Palavras Cruzadas do Público

Perguntam-me muitas vezes: “já repetiste Palavras Cruzadas?”… a resposta é: Não!

Também me perguntam se as Palavras Cruzadas são feitas por um computador.

Todas as minhas Palavras Cruzadas são de autor, ou seja, são criadas por mim. Por vezes, sim, deixo que o software termine alguns cantinhos da grelha mas no final executo o meu papel de “censor”.

As Palavras Cruzadas do Público sempre tiveram um lado pessoal e criativo mas tempos houve em que usei em demasia o software como complemento ao meu trabalho, apesar de utilizar uma base de dados com palavras e pistas criadas por mim.

Felizmente, vi a tempo que o caminho não seria por aí e muito por “culpa” de um cunhado que tem por hábito fazer as Palavras Cruzadas do Público. Disse-me, em jeito de crítica:

“Paulo, acho que aparecem no Público algumas palavras muito difíceis, que não interessam a ninguém”

Fiquei a pensar nisso…

Livros e escritores

Decidi, então, começar a ler para perceber que vocabulário andava a ser utilizado pelos escritores. Tinha 40 anos e tornei-me num leitor ávido de livros.

Cornaca: adestrador de elefantes

Nos últimos 11 anos levei para as Palavras Cruzadas do Público muitas das palavras anotadas durante a leitura e isso notou-se pois tenho ouvido, várias vezes, que:

“As Palavras Cruzadas do Público são as mais difíceis e dão mais luta”

“As Palavras Cruzadas do Público são as melhores”

Fico bastante honrado por ouvir isso mas não me deixo deslumbrar, antes pelo contrário; a responsabilidade é maior e continuo a preencher cada grelha como se fosse a primeira, preocupando-me em garantir a elevada qualidade que um jornal como o Público exige.

Para mais, com as Redes Sociais, hoje conheço muitos dos cruzadistas que são admiradores destes jogos de palavras que crio.

Nas Palavras Cruzadas do Público já foram divulgados muitos escritores (centenas), dando sempre prioridade aos lusófonos.

Já conheço alguns escritores pessoalmente e quando os informo que um livro deles aparece nas Palavras Cruzadas, ficam admirados e, muitas vezes, compram o Público e partilham o seu contentamento nas redes sociais (eles ficam contentes, eu fico contente).

Acordo Ortográfico

Já que falei em lusofonia e porque foi a opção do jornal, as Palavras Cruzadas do Público não seguem o “novo” acordo ortográfico. Respeito essa opção mas continuo, sempre que possível, a evitar as palavras que foram alteradas pelo AO (opção minha tomada após ler muitas opiniões de defensores e opositores).

Histórias curiosas

As primeiras Palavras Cruzadas do Público foram criadas, em papel, durante as viagens de barco Barreiro/Lisboa.

Punha a pasta sobre os joelhos a servir de secretária e os 30 minutos da viagem sempre davam para preencher duas ou três grelhas.

Algumas pessoas ficavam a olhar e as mais curiosas faziam-me perguntas. Chegava à Feriaque e tratava de criar os enunciados e pintar os quadrados pretos, no computador. Outros tempos.

Assinalei as minhas 6000 Palavras Cruzadas para o Público, em 2016, em plena exposição “Rostos em Grelhas de Palavras Cruzadas, no Auditório Municipal Augusto Cabrita (AMAC), no Barreiro, com um evento onde os visitantes da exposição tentaram completar a grelha com a minha ajuda.

Na primeira linha das Horizontais constavam as seguintes pistas: Meia dúzia. Dez vezes cem.

Por vezes “escondo” mensagens nas Palavras Cruzadas.

Em 2017, assinalei as Bodas de Ouro dos meus pais na grelha publicada nesse dia.

Apareceram os nomes deles e há um vídeo no meu canal do YouTube com os dois a fazerem essas Palavras Cruzadas.

E já que falo em nomes, nos dias dos aniversários das minhas filhas, lá aparecem os nomes delas.

Já este ano, 2020, antes do confinamento, assinalei os 30 Anos do Público levando vários jornais para o Clube de Palavras Cruzadas da Biblioteca Municipal do Barreiro e todos completaram a grelha desse dia (momento registado no Instagram e no Facebook).

Curiosamente, essa edição especial contou com a colaboração do escritor Afonso Reis Cabral (trineto de Eça de Queirós) e, dias antes, no Clube, tínhamos falado do seu livro “Pão de Açúcar“ no qual aparece uma personagem (um segurança) que está sempre concentrado a fazer Palavras Cruzadas.

Palavras Cruzadas online no Público

Este ano não é só marcante por causa da «pandemia» do covid-19, é-o, também, porque o Público passou a publicar Palavras Cruzadas online (um pedido de muitos assinantes digitais fãs de Palavras Cruzadas).

No ano passado fui contactado pelo dir.-adjunto do Público, Amílcar Correia, que quis saber o que era preciso para levar as Palavras Cruzadas para o online.

Marcámos uma reunião e falei com a Feriaque. Muito possivelmente, iria haver mudanças.

A pandemia acelerou o processo e… aconteceu.

Ao dar este passo, o Público fez história pois, em Portugal, foi o primeiro jornal de referência a ter Palavras Cruzadas online.

Quanto às mudanças originadas por este passo, de grande importância na continuação do meu trabalho como cruciverbalista profissional, foram bastante significativas.

Já não elaboro este trabalho através da agência e, finalmente, o meu nome aparece como o autor das Palavras Cruzadas do Público.

Estão também diferentes na sua construção pois já não nascem a partir de provérbios, títulos de livros e filmes mas sim a partir de notícias. E isso alterou muita coisa.

Alterações

O tempo que levo a criar cada uma destas Palavras Cruzadas aumentou substancialmente. Mais do dobro. Por vezes, o triplo…

As Palavras Cruzadas do Público são as mesmas em papel e online mas já não as envio em conjuntos de oito por semana.

Agora envio duas a duas de modo a acompanharem as notícias marcantes.

Os primeiros elementos recolhidos para o online

Demoro cerca de meia hora a recolher elementos para cada jogo de Palavras Cruzadas do Público.

Aqui ficam os primeiros seis elementos, testemunhos de tempos de pandemia, que deram o mote às primeiras Palavras Cruzadas online do Público (1/4/2020):

  • Argo, filme de e protagonizado por Ben Affleck
  • Fique em (Casa) e continue a ler o Público, nós levamos o jornal do dia até si
  • Marta Temido, Ministra da Saúde
  • Mitigação, fase corresponde ao nível de alerta e resposta mais elevado no combate ao novo coronavírus
  • Repugnante, palavra utilizada por António Costa para classificar o discurso do ministro holandês Wopke Hoekstra
  • Trump, deixou de usar o termo “vírus chinês” e passou a elogiar a China

Do papel para o digital

Sou eu quem tem a responsabilidade de as colocar online através do software PuzzleMe que possibilita a existência de pistas com links para notícias e a utilização de multimédia (fotos e vídeos).

Destaco as Palavras Cruzadas dedicadas ao 25 de Abril de 1974 onde foram aproveitados todos esses recursos tecnológicos e a própria grelha assentou sobre uma foto de Alfredo Cunha (com os devidos créditos, obviamente).

A tecnologia permite também algumas ajudas pois pode revelar letras ou mesmo palavras.Tem um cronómetro que regista o tempo que demora a preencher a grelha e permite partilhar o resultado com os seus amigos nas Redes Sociais.

Erros nas Palavras Cruzadas

Nas Palavras Cruzadas, os erros estão sempre à espreita e, por vezes, aparecem.

Recentemente errei de uma forma extremamente básica (vi a tempo o erro no digital mas já era tarde para emendá-lo no papel).

Apesar de ser muito raro, não foi a primeira vez nem terá sido a última. Fico furioso quando isto me acontece e só posso pedir desculpa aos cruzadistas do Público. Tentarei redimir-me com a preocupação constante em criar melhores Palavras Cruzadas, todos os dias.

Palavras Cruzadas do século XXI

Resta-me dizer que as Palavras Cruzadas do Público estiveram, nos primeiros 15 dias, acessíveis a todos mas agora estão exclusivas aos assinantes do jornal que até têm um botão de acesso rápido às grelhas.

Sim, o Público, um jornal de referência, tem Palavras Cruzadas adequadas ao século XXI (e não sou eu quem o diz).

E você, o que acha das novas Palavras Cruzadas do Público?

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Palavras Cruzadas por email

Palavras Cruzadas por email

Junte-se à nossa comunidade de amigos que adoram Palavras Cruzadas e receba regularmente, passatempos, novidades, truques e dicas.

Recebido. A melhor decisão que já tomou!

Pin It on Pinterest

Share This